Sunday, May 23, 2010

Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives (competição)


por Kleber Mendonça Filho
cinemascopio@gmail.com


Eu mal havia saído da última imagem de Hitchcock (o carro sendo puxado do pântano), e lá estava já na sala a 150 metros de distância vendo a abertura do novo filme de Apichatpong Weerasethakul, onde um búfalo é visto ruminando sobre terreno pantanoso. O titulo maravilhoso é Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives (Tio Boome que Consegue Lembrar das Suas Vidas Passadas).

Três filmes esse ano em Cannes me chamaram a atenção por irem além da narrativa pura e simples, atingindo um estado de suspensão no espectador normalmente descrito como ‘transe’. Primeiro veio O Estranho Caso de Angélica, depois o ucraniano My Joy (Minha Alegria), de Sergei Losnitza, e por último esse do Joe. O Grande Prêmio do júri ou a Palma de Ouro para qualquer um dos dois últimos (em competição) estaria de bom tamanho, e de forma intercambiável.

Esses três superam as outras demonstrações de cinema onde autores estabelecidos como Mike Leigh e Abbas Kiarostami "apenas" nos dão filmes fortes, prazerosos de se ver, e que poderiam levar qualquer um dos prêmios disponíveis.

Nos casos de Oliveira, Losnitza e Joe, são filmes que parecem se bastar pelo que são, frutos mais de intuições autorais do que técnicas projetadas. Em ambos, é impossível dissocia-los de suas respectivas culturas, ficando a suspeita de que não seriam realizados em nenhuma outra parte do mundo que não Portugal, a Rússia e a Ásia budista, respectivamente.

Para mim, os três me inspiram sensação rara no sentido de eu não ter grandes interesses em escrever sobre eles, ou mesmo discuti-los. Parecem se bastar na sala de projeção, e senti isso ao final de Uncle Boonmee, ainda com a tentadora opção de tentar correr atrás de uma entrevista com Joe. No entanto, pensei que não teria muito o que falar, e duvido se ele teria muita coisa a dizer. Alguns filmes se bastam ali mesmo.

Ironicamente, algumas linhas sobre o filme.

Apichatpong Weerasethakul volta para uma idéia palpável de natureza e floresta, sublinhada por fantástico trabalho de som. Há a filosofia informada desde o início que estamos em todas as coisas vivas da floresta, e o tom impresso por esse autor consegue superar qualquer sensação vulgar associada à idéia de ecologia com sua construção de imagens totalmente alienígena. Se em Avatar, cada imagem é uma questão laboriosamente colocada, num filme como Uncle Boomee o espaço verde simplesmente é, assim como as forças míticas em ação.

Na verdade, volta a sensação de que os responsávels pela imagem registrada são visitantes de outro planeta. As inserções de elementos fantásticos precisam ser vistas para serem totalmente sentidas, e a relação do filme com a morte é de uma beleza também fascinante.

A pequena trama serve de terreno para um panorama que deixa o espectador ateu imerso numa série de estranhezas que cheiram a uma verdade consumada desconhecida, ao mesmo tempo em que há espaço para dúvidas e algum humor que reflete em você mesmo. O filme ainda é engraçado, mas de uma forma totalmente cúmplice, um feito e tanto dada a quantidade de situações inusitadas.

Morrendo em casa, um homem mais velho está cercado dos seus parentes mais queridos. Numa ceia de jantar, eles recebem a visita do espectro de sua esposa falecida e também a visita do filho dele, há anos desaparecido. O filho aparece em forma que não parece humana.

Com aparato de hemodiálise em mãos, a família segue numa peregrinação pela floresta, onde vultos indescritíveis os protegem e garantem a chegada numa caverna que teria sido o local de nascimento do Tio Boome numa outra encarnação. Não deve existir nos registros ritual de passagem tão bonito e enigmático como esse no cinema, poderosíssimo na construção de suas imagens místicas que, em nenhum momento, são uma questão, uma dúvida. Apenas são, e deixam o espectador boquiaberto.

Como cinema, é uma experiência que sugere sair de si mesmo, deixando no ar o sentimento de que o mundo, de fato, é um espaço em constante busca de equilíbrio espiritual, quase nunca tendo a calma e a paz para encontrá-lo. O filme sai de si, e o espectador pega uma rara carona nesse transe reproduzido.

Filme visto na Sala Bazin, Cannes, Maio 2010

8 comments:

Hugo Leonardo said...

KMF, postei no meu blog um quadro de notas dos filmes de Cannes dos críticos/jornalistas brasileiros que cobriram o evento. Qualquer retificação de nota, pode me mandar, caso tenha interesse.

http://www.fidelidadealta.com

CinemaScópio said...

Ok Hugo, valeu. Verei.

Vinícius Reis said...

Kleber, alguma chance de Uncle Boonmee ser lançado comercialmente no Brasil? Conheço toda a obra do Joe via emule. Nas raras vezes que passou em festivais brasileiros, nunca coincidiu de poder ver.
Abraços.
Vinícius.

CinemaScópio said...

N sei, creio que será, maior cara de q ganhará algo importante.

Fábio Henrique Carmo said...

Como ganhou a Palma de Ouro, resta a esperança de ser distribuído no Brasil.

Anonymous said...

Vi o filme ontem na Mostra SP. Legendas eletrônicas, então por enquanto não está garantida a exibição no circuito- lembremos que o filme anterior, "Mal dos Tropicos", tb não entrou em cartaz. A floresta sempre onipresente e uma fuga de lugares comuns - com espíritos e homens-macacos e tudo mais. Uma experiência para cinéfilos. eric73@uol.com.br.

José Lopes said...

Cara, acabei de assistir o filme e gostei muito da sua resenha. Parabéns. A visão que eles passaram da morte é tranquilizante, bem natural. Só um detalhe: o tratamento a que ele se submete não é Hemodiálise, mas sim CAPD ou Diálise Peritoneal. ;-)

michelle said...

Christian Louboutin Pumps are so famous for the luxurious and distinctively styled designs, which enhances personal vogue taste and make it easy to match with varied dressing ways.
Christian Louboutin Pumps 14CM Red Patent Leather Platform
Christian Louboutin Pumps 14CM Rose Patent Leather Platform
Christian Louboutin Pumps 14CM Sky Blue Patent Leather Platform
http://www.clsneakersmall.com