Monday, February 23, 2009

Oscar Sarau



Sarau em casa vendo mais uma cerimônia de entrega do Oscar. "Isso é Joacquin Phoenix?"

Por Kleber Mendonça Filho
cinemascopio@gmail.com


A cerimônia do Oscar é sempre uma proposta interessante, com inevitáveis barrigas no meio que afundam o todo, levantando o interesse no final com os prêmios principais.

Esse ano, tentaram transformar a coisa num esquema sarau na grande sala de estar de Hollywood, apresentadores e ganhadores numa relação de proximidade semelhante à de um show de banquinho e violão, diferente da distância tradicional entre púlpito e platéia. Um plano de câmera de trás e de cima achatava tudo e mostrava bem essa proximidade.

A valorização do ator (ou do astro, não sei) foi sublinhada esse ano com as quatro categorias ganhando quatro ou cinco vencedores respeitados do passado aparecendo como juízes do Planeta Krypton para julgar cada novo indicado com pequenas e certeiras criticas sobre o trabalho de cada um. Eu senti um clima meio American Idol nas falas, que oscilavam entre o paternal/maternal (Anne Hathaway sendo elogiada por Shirley MacLaine soou como uma adorável netinha sob os olhos experiente sda sua severa avó). De qualquer forma, coisas bonitas saíram daí, no geral.

A presença de Milk no páreo rendeu alguns momentos que, imagino, devem ter batido forte entre telespectadores conservadores em toda a área continental dos EUA. Duas vezes a cena de beijo entre Sean Penn e James Franco foi mostrada, e os discursos carregados de “liberte-se” e tolerância também foram bons e fortes, mensagem dada.

Hugh Jackman, super competente, sumiu durante um tempo, voltando rumo ao final. Estranhamente, sua competência passa agora como a competência de um bem calibrado puppet, sem nenhuma personalidade em especial, certamente sem a aura de comentarista de Jon Stewart. Mas, Jackman foi tranqüilo e parecia estar gostando.

Vão aqui umas anotações feitas durante, pequenos momentos, algumas piadas ditas, observações de caderno.

Hugh Jackman vai fazer NOVA ZELÂNDIA por causa da crise.
O caba até que é bom.
I haven’t seen The Reader. (eu também).
“I am a slumdog, I am a wrestler, I am Wolverine”. O caba dança, olha só.
Jackman engraçado, homenagem a Streep (15 indicações).
Homenagens bonitas a cada atriz e performance. Eva Marie Saint, Oscar de Coadjuvante por ON THE WATER FRONT, e alluminus de Hitchcock, uma das quatro no palco (Anjelica Houston, Tilda Switon, Goldie Hawn as outras). Homenagem à performance de Penélope Cruz simpática. Bonito texto sobre papel de Tarah GB Henson em O Curioso Caso de Benjamin Button.

PENELOPE CRUZ por Vicky Cristina Barcelona
Melhor Atriz Coadjuvante

Ela lembrou de coração Almodóvar, Bigas Luna e Fernando Trueba. Bacana.
5 minutos só para Atriz Coadjuvante, duração recorde?

Sketch de roteiro engraçada, Tina Fey e Steve Martin, “escrever é viver para sempre”, “o homem que escreveu isso já morreu”.

MILK Dustin Lance Black, discurso emocionado sobre a possibilidade de ser gay livremente. Uau, TVs sendo desligadas em Biloxi, Mississipi.

SLUMDOG MILLIONAIRE, Simon Beaufoy, Roteiro Adaptado. Hmm.

Jefrey Katzemberg (chefão da Dreamworks Animation, câmera claramente escrota) tentando rir com a piada de Jack Black sobre ganhar grana com animação. “Eu faturo com a Dreamworks (Black fez Kung Fu Panda) e aposto nos Oscars da Pixar (Wall-e)”.

Melhor animação, WALL-e.
Andrew Stanton agradece a Steve Jobs (Apple) e John Lasseter por criar um oásis criativo, a Pixar.

La MAISON EN PETITS CUBES (achei que seria Presto)
O japonês sabia pronunciar SÂNKIÚ.

O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON Direção de Arte. Ok e tal.

A DUQUESA, Figurinos. Hm.

Maquiagem. O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON. Amigo meu diz que Button começa como Zagalo. Hm, ok.

Menina de Mamma Mia e caba de Twilight lendo de cartolinas. Thunderbirds are Go!

Natalie Portman com problemas ao lado de Joacquin Phoenix (eu acho que é ele), que considera fotografia como nova carreira. “Soube que Slumdog foi feito com uma câmera de celular”. Acho que ele confundiu, foi feito para ver em celular!

Anthony Dod Mantle, fotografia SLUMDOG MILLIONAIRE. O filme não é todo em digital, mas muita coisa foi feita em digital. Perfeito prêmio de transição, em 2008, para fotografo que sempre trabalhou com o digital (Dogville, Manderlay).

CURTA (eu previ. O curta de Holocausto!) TOYLAND (Spielzeugland).

Jackman outra vez com numero musical, “Mamma Mia vendeu mais ingressos do que Titanic na Inglaterra”, menina simpática de vermelho. West Side Story, Grease, Noviça Rebelde, Moulin Rouge, Evita, Mamma Mia. Er... a simpática era Beyonce Knowles.

Christopher Walken, caba bom. Cuba Gooding Jr, Alan Arkin, Kevin Kline.
Heath Ledger.

ATOR COADJUVANTE Heath Ledeger.
Família de Ledger foi pegar o prêmio, “em nome da linda Mathilda”.

Imagem bizarra do Oscar, Werner Herzog refletindo sobre a verdade da imagem na cerimônia do Oscar no ano de 2009. Valeu Werner. (que estava no recinto, ansioso como um curta metragista).

MAN ON WIRE Documentário. Philipe Petit me confirmando que ele simplesmente não existe.

Smile Pinki, DOCUMENTÁRIO CURTA

EFEITOS VISUAIS, Benjamin Button Curioso (antecedido por montagem enxaquêca de filmes de ação).

MONTAGEM DE SOM The Dark Knight

MIXAGEM DE SOM Slumdog Millionaire.

MONTAGEM Slumdog Millionaire

Prêmio para Jerry Lewis foi transformado num prêmio humanitário, o Jerry Lewis que conhecemos estranhamente omitido. Se a idéia do prémio é essa, vergonha, então. O quê agora? Brian de Palma reconhecido pelo seu trabalho com cerâmica de barro reciclável?

Hugh Jackman curiosamente sumido da cerimônia.
Ok. Jackman voltou pra apresentar Trilhas.

TRILHA ORIGINAL Slumdog Millionaire A.R. Rahman
Rahman acaba de ganhar e já está no palco interpretando as músicas às quais concorre.

MÚSICA ORIGINAL “Jay Ho” A.R. Rahman. “Minha vida inteira tive a chance de escolher entre amor e ódio, escolhi sempre o amor, e estou aqui”, bom letrista populista.

FILME ESTRANGEIRO -- ???? --- Departures, do Japão. Os velhinhos da Academia devem ter jogado os DVDs pro alto e o japonês caiu no círculo de giz no chão. Nada de Entre Les Murs ou Waltz With Bashir. O diretor japonês parece ser fã de Terminator, de James Cameron. Por algum motivo oriental estranho, ele finalizou com “I’ll Be Back”.

DIRETOR Danny Boyle, Slumdog Millionaire. Boyle agradeceu Winnie the Poo e ao povo de Mumbai.

Sophia Loren, Marillon Cotillard, Nicole Kidman, Hale Berry, Shirley MacLaine. As cinco chegam e falam para as indicadas como se fossem do júri do American Idol (ou America’s Next Top Model), dando um texto sobre o que fizeram, como fizeram, onde acertaram e sempre terminando com um “obrigado”. O mais simpático foi o ofegante sotaque francês de Cotillard, “thank you”, que gracinha.

MELHOR ATRIZ Kate Winslet (ofegante novamente), melhorando com humor inglês a performance do Globo de Ouro. Pediu para o pai assoviar onde estava (simpático).

Robert de Niro, Michael Douglas, Sir Ben Kingsley, Adrien Brody, Anthony Hopkins.

De Niro sobre Penn: “como ele conseguiu fazer heterossexuais durante tanto tempo?”

MELHOR ATOR – Sean Penn – MILK
“Lei igualitária para todos”. Dedicou prêmio a Rourke.

Montagem de FILME mesclaram MILK com Mel Gibson gritando palavras de ordem em Braveheart, clara cutucada em Gibson homofóbico. Essas coisas que valem a pena ver o Oscar.

FILME Slumdog Millionaire. Essas coisas que fazem a gente não levar o Oscar a sério. Hehehe.

13 comments:

Eduardo Valente said...

foi mais ou menos isso que eu vi tb. mais ou menos porque não mencionou o fenomenal curta de Judd Apatow com Seth Rogen e James Franco (das coisas mais subversivas a passar num Oscar, com os maconheiros gargalhando de Doubt e The Reader), nem o fato de que o Chris Walken apresentando o Michael Shannon ("o clone") foi bem sinistro.

e fora isso, come on, Ben Stiller como Joaquin Phoenix, indo em direção à tela pra ver o clip de fotografia merecia mais elogios.

hehehe

CinemaScópio said...

concordo com tudo. Franco e Rogen dez mesmo.

Murilo said...

E mais sensacional ainda no curta de Apattow foi a aparição de Janusz Kaminski, com suas duas estatuetas.

historiense said...

Eu achei a cerimônia mais bonita em muitos anos...
Mas a melhor coisa do Oscar foi, sem
dúvida, o clipe do James Franco e Seth Rogen.
Os caras gargalhando de The Reader. uauhauh
Adorei!
Como tb adorei esse seu texto!

Abração.

Márcio

Anonymous said...

Teve alguns bons momentos, mas foi chata como sempre.

Gustavo said...

Diga ao amigo que eu mandei agradecer pela piada de Zagallo, vou contar por aí!

João Solimeo said...

E se falou tanto que iriam tirar a orquestra do fosso, mas o que adianta se ela ficou escondida atrás do cenário?

Interessante as presenças/homenagens (jurados de Krypton foi ótimo, hehe) antes dos prêmios a atuação. Tava torcendo pelo Rourke... Sean Penn foi ótimo como sempre, mas fiquei com a sensação de ter sido um prêmio politicamente correto, talvez até um pedido de desculpas por Crash ter ganhado de Brokeback Mountain.

Penn foi generoso e disse "Michey Rourke rises again, and he´s my brother". Bonito. Coisa que ele não fez da outra fez que ganhou, tirando a chance do Bill Murray levar um Oscar pra casa.

Hugh Jackman...quem diria que o Wolverine podia cantar e dançar.

E o lance do Spileberg entregando o prêmio pro filme indiano? Foi a celebração de Bollywood...to pensando em largar tudo e virar editor por lá, hehe.

"I´m Steve Martin"
"I´m Tina Fey"
"...and I´m Steve Martin".

hahaha

CinemaScópio said...

o último Shyamalan foi feito om grana indiana. Spielberg fez acordo com grana indiana. Hollywood is in the mood for indian love. (creio)

maurício said...

Pô Kleber, leio seus textos desde os 16 anos, vc acabou se tornando pra mim uma referência na maneira de ver interpretar não só filmes como também as coisas desse mundo ae...

Mas cara! Vê bem, esse negôcio aqui as vezes ta ficando meio Rubens Edwald Filho... rs
Cuidado!

Abraços

CinemaScópio said...

Também te amo Maurício.

maurício said...

aaah, isso não pode ter sido sincero =(

Fábio Henrique Carmo said...

Kléber, esse seu texto sobre o Oscar foi o mais divertido que já li em muito tempo sobre o assunto. Também já havia muito tempo que o Oscar não aparecia tão divertido, no bom e no mau sentido.

Também gostei muito do seu texto sobre o "Slumdog", principalmente a ironia com a foto em destaque. E Hollywood, nesses tempos de crise, já está procurando sociedade com o "emergentes" para não imergir.

CinemaScópio said...

Fábio, obrigado. Sobre mais merda, tenta ler texto rápido de André Setaro no seu blog, associando Boyle a cocô, n tenho link aqui agora. É engraçado e bem articulado.