Sunday, March 8, 2009

'Watchmen' e as Imagens Americanas



Kleber Mendonça Filho
cinemascopio@gmail.com


Durante Watchmen (EUA, 2009), filme de Zack Snyder, eu me vi cada vez mais imerso nesse sofisticado super-camp, e foi batendo uma preocupação prazerosa em relação às expectativas de custo e benefício para com a Warner e a Paramount, que bancaram a coisa por 125 milhões de dólares. Caríssimo, incomum e provavelmente autoral, suspeito que seja uma das cine-interpretações mais interessantes do mundo dos quadrinhos e dos super-heróis, num mercado que parece sustentar-se já há alguns anos de produtos do gênero. Observador distanciado desse tipo de universo (minha formação em HQs é praticamente nula), o filme me pegou de uma maneira insuspeita.

Me atrai muito em Watchmen os procedimentos diferentes tomados, num filme de mercado que normalmente opera em outros registros. Talvez tenha sido isso que me fez vê-lo como uma sessão e tanto, e rara demonstração de compactação de idéias e informações específicas. O filme não parece ter a preocupação de avançar rapidamente em direção à próxima cena de ação, e ação talvez seja o elemento mais medíocre do todo.

Mesmo apostando num tom explicitamente violento, Snyder trata sua decupagem e uso de sangue e ferimentos profundos como uma versão extra forte do tipo de estética que Hollywood já nos deu tantas vezes, com a diferença notável que esse teor tão surrado é quase sempre a diretriz comercial (e, finalmente, estética) PG-13. Em geral, há uma sensação de já termos visto mais e melhor em Paul Verhoeven (Robocop, Total Recall), ou mesmo no trio de Matrixes.

Embora a ação filmada de Snyder nunca deixe de roubar o seu olhar, lhe deixando com uma careta de agonia e prazer, creio que as energias desse realizador foram investidas em outras áreas, e o efeito geral é superior às partes isoladas. Poucas vezes um filme consegue estabelecer um projeto paralelo de mundo tão rico e cheio de portas, janelas e saídas de emergência como esse, trazendo o universo originalmente apresentado para uma tradução coerente.

Os 20 e poucos anos que separam a publicação de Watchmen (1986-87), livro de Dave Gibbons e Alan Moore, e sua versão filmada viram praticamente tudo o que foi possível mostrar, filmar e adaptar dentro do conceito de histórias em quadrinho. O filme corria, inclusive, o risco de soar datado ou redundante, a adaptação morgada para o cinema de um livro essencial de um passado distante.

A questão primordial aqui é que o cinema de entretenimento preferiu evitar precisamente o estilo e abrangência do tipo de material que Watchmen, livro e filme, abordam. Fica a sensação de que Snyder parece ter conseguido fechar um ciclo que o livro abriu nos dando uma visão completa desse universo. Dentro desse círculo, toda uma cultura pop e comercial de dezenas de personagens de HQs que ganham indiretamente agora uma expansão formidável.

O valor do filme é grande o suficiente para que sejamos lembrados que Watchmen, o livro, foi a obra seminal no gênero capaz de sacudir conceitos que vinham sendo repetidos com alegria desde os anos 30 nos quadrinhos, cinema e TV, dentro de uma idéia de ‘super-herói’.

O que mais poderá chamar a atenção de alguns, no entanto, é a capacidade cada vez mais sofisticada que temos hoje de produzir e consumir cópias, e digo isso ao me sentir estimulado a elogiar o filme e saber, que na verdade, algumas das suas principais qualidades vêm da obra original, pensada por Moore e desenhada por Gibbons. Obviamente por estarmos falando de cinema, há uma enorme carga de energia no filme em si, e vai aqui uma admiração por Snyder e sua aparente falta de medo de dar esse tipo de vida às suas imagens projetadas.

‘Camp’ é tanto um termo pejorativo como uma possível fuga estética, e acertar a mistura não é fácil. A linha que divide o camp do mau gosto vazio (Batman Eternamente, Batman e Robin, para citar dois), de um outro camp melhor cujo apelo revela valores enraizados na ironia da própria cultura é das mais tênues. Ao que parece, Snyder fez uma curiosa anomalia que praticamente põe em revista os últimos 30 anos de "superhero movies" ou "comic book movies", e o faz com a seriedade relaxada de quem filma com misto de respeito com uma pitada de sal.

Snyder, cineasta jovem, parece preencher os pré-requisitos de um menino da indústria moderna, remixando fiel e energicamente obras originais. Esse diretor de 43 anos realizou o bom Madrugada dos Mortos (2004), a partir de um filme original de George Romero (Dawn of the Dead, 1978), e o carnaval histérico que eu não consegui entrar 300 (2007), a partir da graphic novel de Frank Miller.

Ele aparenta ser adepto de uma postura claramente lunática como tradutor de algo que já existia, da primeira à última cena, ciente de que o mundo que propõe existe por si só nas possibilidades infinitas dos grafismos originais e do próprio cinema. Esse desprendimento é um fator positivo e já existia no livro original, que sempre funcionou como uma espécie de última palavra dentro desse tipo de universo.

Esse desprendimento sozinho não seria suficiente, creio, pois se assim fosse minha reação a 300 seria tão positiva quanto. A união de uma visão de cinema (que 300 tem, aliás, mas que me deixa dormente e vazio) a uma base forte de identidade cultural (que eu não percebi em 300) parece funcionar muito bem em Watchmen. É a capacidade que a arte tem de nos apresentar caricaturas precisas de uma cultura, e nesse sentido os Estados Unidos e a sua cultura e história recentes surgem como o eixo desse filme, e do livro original.

Nesse sentido, algo aqui me lembrou (para citar um), o muito divertido Homem de Ferro, com as ligações belicistas do nosso herói Tony Stark. De qualquer forma, Iron Man não parece ultrapassar os limites de uma premissa inteligente, mais preocupado em simplesmente oferecer diversão e ação num filme perfeitamente leve (nada contra).

Em Watchmen, a coisa é mais radical. Essa idéia da caricatura de uma cultura é anunciada já na sequência de créditos ao som de Bob Dylan (The Times Are A-Changin'), um panorama incrível de imagens americanas que parece bater bem com as sensibilidades já existentes no próprio Snyder, vide o início (opening criedits) de Madrugada dos Mortos ao som de Johnny Cash (The Man Comes Around).



As montagens de Snyder com Cash e Dylan, em filmes tão díspares, trabalham com o arquivo vivo de um imaginário, signos cheios de história e sugestões para o presente (o nosso e o proposto). Contextualizam cenas de uma história recente como instantâneos expostos numa galeria de arte, que aqui ganha a forma de uma tela larga de cinema.

A imagem de um bombardeiro americano B-29 em pleno vôo, uma revisão fantasma da morte de Kennedy, em Dallas, uma incursão no Vietnã que reprocessa a confusão de imagens reais e/ou fabricadas pelo cinema daquela guerra, uma nova versão para os primeiros passos do homem na lua onde o momento chave é o ponto de vista de uma câmera refletido no visor do capacete de Neil Armstrong. Andy Warhol apresentando mais uma imagem, uma nova obra sua na Factory dos anos 60, todos eventos que ilustram a relação entre real e imaginário através das imagens.

É também esse panorama americano de política e violência em atos que trazem o realismo congelado de uma fotografia de Weegee, mais uma das inúmeras referências para a construção desses quadros que compõem Watchmen, e cujo conceito principal é o de anexar a desconstrução da idéia de superheróis e anexá-los à política interna e externa do governo americano.

Dr, Manhattan (Billy Crudup), Nite Owl II (Patrick Wilson), Ms. Júpiter, (Malin Akerman) Rorschach (Jackie Earle Haley) fazem trabalhos sujos, ajudam a conquistar vitórias militares e confirmar o poderio U.S.A sobre o mundo numa realidade alternativa de 1985, filmado em tons que parecem sugerir um cheio constante de esgoto. Lá ao fundo, mais um signo americano mudo, as Torres do World Trade Center.

Ao juntar essa base perfeitamente distorcida com uma imaginação sem medo de escancarar o absurdo de uma cultura, Watchmen vai se revelando um exercício bem mais abrangente do que o que temos visto no gênero, e onde Os Incríveis (2006), de Brad Bird, seria um possível parceiro distante nesse tipo de visão artística da idéia do super-herói, versão borrada e exagerada do ser humano. Hancock (2008), de Peter Berg, pede para ser citado, mas o filme me interessa mais como tentativa do que resultado.

É engraçado ver Watchmen e lembrar de algo como a adaptação para o cinema de Heavy Metal (1981), colagem perfeitamente absurda cujo espírito parece rondar Snyder em alguns momentos. Aquele panorama de imagens pop, repleto de sonhos eróticos e super space-bitches sugere presença no tom de alguns dos melhores momentos de Watchmen, dos quais eu incluo a já ridicularizada cena de sexo entre Júpiter e Nite Owl II, sem falar na reação de alguns na sala com a nudez frontal do semi-Deus azul Manhattan.

Isso tudo é engraçado pelo fato de o filme ter vindo render, sem dúvida alguma, The Dark Knight, de Chris Nolan, nas expectativas do público e da indústria. O embate entre os dois é natural e, nesse sentido, minhas afeições ficam claramente com o filme de Snyder, que parece tomar um conjunto completamente oposto de procedimentos para filmar um universo fantástico muito específico.

Se em The Dark Night, Nolan aplicou uma crença podre-de-séria "no real", não apenas via narrativa e personagens, mas principalmente no tom daquele tipo de cinema (fotografia, montagem, música e som), em Watchmen estamos claramente dentro de uma bolha de imagens pré-fabricadas, alavancadas por uma inteligência narrativa que mantém o interesse constante, crença consciente no absurdo de uma realidade paralela.

É tão mais difícil investir em algo berrante como Flash Gordon (1980), de Mike Hodges, do que apostar na higiene CDF de um filme de ação com tons e tempos comuns, como os da franquia X-Men, ou mesmo os recentes Batmans, The Dark Knight incluso. Vale ressaltar que os procedimentos de The Dark Knight renderam um bilhão de dólares nas bilheterias, e os de Watchmen, pelo menos na sessão de meia-noite onde o vi, levaram ao abandono da sala de pelo menos dez espectadores, pelo jeito entediados.

Ao olhar para um casal retirando-se com misto de irritação e resignação após a seqüência onde Rorschach já encontra-se na prisão, já era possível afirmar (e, outra vez, achando alguma graça) que o público não foi ver Watchmen, mas foi Watchmen quem os viu. Super.

Filme visto no UCI Boa Viagem, Recife, Março 2009.

10 comments:

Eduardo Oliveira said...

Acho que o que é realizado nos Batman do Nolan não se compara ao que foi feito nos X-mens, pelo menos os 2 primeiros. Não vejo problema em trazer uma estética realista, mas sim na tentativa paupérrima de justificar tudo de acordo com a realidade, a grande fraqueza de Nolan. X-Men está longe disso, mesmo que não seja fiel ao colorido de seus quadrinhos, não peca na fantasia e na imaginação. Imagina o que Nolan faria com esse material, deus me livre, acho que ele nem aceitaria.

Por outro lado, acredito que X-Men continuaria funcionando numa estética camp, mas acho mais adequado o tratamento que Brian Singer diante da abordagem central nos 2 primeiros filmes que a reação de uma minoria contra a discriminação.

Mas o texto está ótimo e é bom saber que parece não ter nada a ver com The Dark Knight(era o que temia)

Abraços.

Eduardo Oliveira said...

corrigindo: ...o tratamento que Singer dá diante da abordagem central nos 2 primeiros filmes que é a reação de uma minoria contra a discriminação.

CinemaScópio said...

xmens me parecem apenas divertidos, de fato sem o peso morto dos batmans de nolan. mas o watchmen de fato me deu a sensação de que eu estava numa outra dimensão, e isso, se funciona p vc, é muito bom.

Anonymous said...

Kleber, reparastes que os mamilos no uniforme do vilão faz referência ao Batman do Schumacher? Fiquei esperando outras coisas nesse sentido sobre o cinema de super-herói.

CinemaScópio said...

er... n reparei.

Fábio Henrique Carmo said...

Kléber,

Na realidade o que Snyder fez foi tentar ser o mais fiel possível à fonte, oue seja, a HQ de Alan Moore. Se Nolan, nos seus Batmans, procura algo muito próximo da realidade, é porque o Bataman dos quadrinhos transmite essa sensação de realidade. Ele não tem super-poderes, assimo como a grande maioria de seus vilões.

Eu sou, digamos, um "graduado" em quadrinhos e gosto bem mais das adaptações de Nolan para o personagem do que as anteriores (de Burton e Shumacher, mas esse último nem conta). A Gothan City das HQs lembra muito as metrópoles de hoje, cheias de corrupção e violência. Talvez por isso "Dark Knight" tenha agradado em cheio aos fãs do Batman. Até mesmo a interpretação de Ledger já estava lá, nas HQs. O que ele fez foi entender o personagem levá-lo para a tela.

Snyder é, na minha opinião, um outro Nolan, pois sua meta é ser o mais fiel possível à obra original. Assim foi com "300" (que é bastante fiel à obra de Miller. Se o filme não é grande coisa, é porque a HQ também não está entre as melhores do autor). Assim foi com "Watchmen", uma HQ super-complexa que chegou até a entrar na lista da "Time" de melhores romances. Na realidade, o filme ainda deixa um pouco a desejar com relação à obra original.

Abraço!

Edu Oliveira said...

Fabio, nos quadrinhos do Batman não há apenas a sua versão realista. Por exemplo, já cansei de ver os fãs amaldiçoarem Burton por fazer um Batman que mata, sendo que a primeira encarnação dele, do criador Bob Kane, matava. Mas Nolan vai atrás dessa versão realista e não só torma partido dela como a exagera, se preocupa mt com ela, parece que seus filmes se tratam disso, como deixar o Batman realista pra ser mais facilmente digerido para o exigente público contemporâneo que torce o nariz pra Indiana IV e todos os seus absurdos. Nolan parece ter vergonha de estar realizando um filme de super-herói.

Snyder, com todas suas limitações, está longe de ser um outro Nolan. Wacthmen, a HQ, pode se equivaler as versões mais realistas do Batman das HQs. E Snyder poderia mt bem partir para uma abordagem realista desse universo e, pior, tentar explicar os absurdos das situações. Mas ele não se preocupa com isso e não vê problema em trazer ao filme o colorido de uma revista em quadrinho. Aquelas cenas da aberturas foram minhas preferidas e muito por poder ver aqueles seres fantasiados, que poderiam se encaixar em uma versão moderna do seriado do Adam West.

Mas mesmo tendo gostado um tanto de Watchmen, eu acho que o grande problema dessa industria de filmes de super-heróis é a exigência por fidelidade de seu público. Acho rídiculo isso e lembro do meu filme preferido de HQ, Batman Returns, que não tem nada a ver com qq HQ do Batman, está mais para Batman no mundo de Tim Burton, mas é fantástico e talvez tenha funcionado numa época em que não existia a internet fornecendo informações sobre os filmes antes mesmo deles serem filmados. Acho que nenhum diretor hoje teria culhão pra realizar a deturpação que Burton fez em 92(e nenhum estúdio permitiria).

CinemaScópio said...

estamos falando dessa coisa da autoria, da cópia. Tvz Watchmen seja quase tão bom quanto a sua origem, o mesmo para 300. Burton tem cuião por ter uma visão pessoal e artística de mundo, e não ligar para o fato de que Batman pertence a uma outra pessoa (autor) e a um outro estilo. Sobre o Nolan, não sei qual é a dele. Mas os filmes em si n me convencem como filmes que eu consiga levar a sério. Sobre Snyder ser acusado de mero decalquista, vale lembrar que fazer um filme, cópia de um livro ou não, é um troço muito, mas muito difícil!

Fábio Henrique Carmo said...

Bem, o Batman que me agrada é mesmo o Batman de Nolan, e não os outros. Não sei se vocês percebem mas, quanto o mais o filme se mostra fiel à sua origem (Edu, o Batman que acompanhei por um bom tempo é o das últimas décadas), normalmente ele tem maiores resultados na bilheteria. Homem-Aranha é um perfeito exemplo disso. Os filmes de Raimi transpiram em todos os poros os elementos dos quadrinhos do aracnídeo.

Sendo sincero, não gosto quando o diretor "deturpa" a obra original a ponto de alterar a sua essência. Tudo bem, eu sei que cinema é cinema, literatura é literatura. E há várias obras "deturpadas" ótimas, como o "Iluminado" de Kubrick. Mas para isso é necessário muito talento. Por via das dúvidas, Nolan e Snyder, que não são Kubrick nem nada, preferem se colocar em um porto seguro.

Paulo Ayres said...

os batmans de nolan só são melhores que os de joel schumacher.