Monday, May 19, 2008

Movimentos migratórios de câmera

Kleber Mendonça Filho
cinemascopio@gmail.com

Os irmãos Jean Pierre e Luc Dardenne, que já têm duas Palmas de Ouro (por Rosetta em 1999 e A Criança em 2004), apresentaram filme novo hoje, na competição de Cannes, Le Silence de Lorna. Vendo mais um belo filme da dupla, chega-se, à essa altura, à conclusão de que tornaram-se autores de segurança máxima, produzindo filmes artesanais com algo de uma marca industrial muito deles e também muito esperada (previsível não é exatamente a palavra, embora ela tenha vindo em mente). Os Dardennes não parecem interessados em deixar o campo que têm explorado em todos os seus filmes, com personagens europeus de classe trabalhadora, ruas cinzentas, apartamentos pequenos e uma câmera na mão que respira com cada um.

O foco desta vez é a movimentação migratória entre as muitas Europas, a personagem principal Lorna (Arta Dobroshi) uma garota albanesa que acaba de obter nacionalidade belga. Conseguiu isso com um esquema de casamento fajuto, seu marido alugado é um viciado em heroína chamado Claudy (Jerémie Renier, de A Criança).

Claudy é um personagem construído em ricos detalhes, um homem doce e carente, a quantidade de vezes que ele chama o nome dela – "Lorna!" – para necessidades das mais simples um dos aspectos notáveis dessa construção. Renier parece, aliás, continuar habitando o seu personagem de A Criança.

Revela-se que ele é apenas a parte desavisada de um esquema cruel que lucra não apenas com processos escusos de obtenção de cidadania, mas também de lucro com a morte de belgas especialmente escolhidos. Sendo ele um junkie, seria o alvo perfeito para processos de seguro para sua esposa.

Mais próximo de Rosetta, no sentido de observar de perto o rosto assustado de uma mulher cujo instinto triste de sobrevivência vai deixando feridas psicológicas, Le Silence de Lorna oferece esse raro prazer que é o de entender alguém via observação livre de julgamentos. Desdobrametos emotivos na segunda metade abrem janelas para a compreensão de alguém que nos apegamos aos poucos, num filme que confirma estabilidade maior de uma câmera que, de qualquer forma, continua na mão. Curiosamente, última cena traz música na trilha, aspecto incomum na obra dos irmãos. Com uma câmera cada vez mais firme e já uma partitura ali, observamos uma lenta adoção de novos registros dardenneanos.

4 comments:

Rafael Carvalho said...

Desses dois caras aí eu sou fã. Gosto muito de O Filho e principalmente de A Criança. Mas realmente não acredito numa terceira Palma para eles. Embora tenham sido bastante elogiados, o filme não parece trazer algo de novo, mas só mais uma continuidade do projeto de cinema tão peculiar que eles vêm construindo. E isso já é muita coisa. Qual o seu preferido deles, Kléber?

Murilo said...

Nossa, juro que quando bati o olho nessa foto do novo Dardenne, me pareceu a Ellen Page, de Juno! Hehehe

Victor Rodrigues said...

Já tava.. e depois dessa ainda mais.. Tou doido pra ver esse filme!

Gostei muito do cinema dos Dardenne. deles vi Rosetta, Le fils e L'enfant. Bacana o Renier estar nesse filme, ainda mais como um junkie. Depois ainda vi no imdb que o cara dos crepes de Rosetta também tá nele, que beleza hein.

O que mais me encanta no cinema desses dois é essa coisa da câmera sem julgamento, eles nos levam a olhar as pessoas para entendê-las, sem os planos, caras, bocas, trilhas, que direcionam, fazem a gente se aproximar muito mais daquelas pessoas.

Kleber, dá uma de Claudy/Bruno e dá o rapa nessa película, traz pra Recife!! :P

Continuo acompanhando daqui, valeu!

osmario m said...

Assisti nesta quinta a O Silêncio de Lorna, e em seguida a Gomorra,na Fundaj. Filmes muito diferentes entre si, q pediam pra serem vistos uma a cada dia. Lorna é um filme q emudece o espectador... Achei acertadíssima sua leitura de Claudy, em sua crítica. Q filmaço, preciso rever...

abraço,

www.flickr.com/osmariomarques