Saturday, May 16, 2009

2 Flashes


Rapidinho, vou pro 5o filme do dia.

Le Prophéte (França, 2009, Competição), de Jacques Audiard (De Tanto Bater Meu Coração Parou) foi recebido com gritos de bravo e quase ovação na sessão de imprensa, hoje de manhã. Eu achei o filme uma poltrona e tanto com duas horas e meia, mas, de qualquer forma, interessante, bem feito, bem atuado, mas nada de absolutamente novo a acrescentar à vasta galeria de crônicas do crime onde um pequeno criminoso alcança o PhD do submundo dentro da prisão. Audiard não esconde sua paixão francesa pelo cinema americano clássico, e o resultado é uma competência déjá vu que faz as honras da casa.

Mother (Coréia do Sul, 2009, Un Certain Regard), de Joon-ho Bong, mais uma jóia coreana, desta vez do diretor de Memories of Murder e The Host. A mãe coragem que tenta descobrir o verdadeiro assassino de uma colegial para provar que seu filho mentalmente incapacitado é inocente parece ganhar tratamento oposto ao que qualquer interpretação mundana da sinopse nos levaria a crer que veríamos. Esses coreanos filmam grande, com detalhes maravilhosos, as dores não são sopradas e ainda terminam o filme com um desfecho lindo, aliás, o mais belo final de Cannes até agora.

7 comments:

Moisés said...

Bong Joon-ho é certamente um dos melhores cineastas em atividade.

Ricardo Lessa said...
This comment has been removed by the author.
Ricardo Lessa said...

Os filmes do Bong conseguem a dupla consagração cinematográfica: emerge no início de suas obras o aroma do fantástico para serem acopladas, algumas dezenas de minutos depois, na última respiração dramática que o cinema pode conceber. Memories of Murder, a sua cena final, é todo o filme em 40 segundos. E the Host,e The Host...

Fellipe said...

Kleber, vc viu "Precious", na Un Certain Regard?

CinemaScópio said...

Emilie viu, eu não. Filme bem hyped aqui, Lenny Kravitz e Mariah Carey pushing it aqui.

Fellipe said...

Yup, ouvi dizer q ja desponta como candidato ao Oscar de filme e atriz.
Fiquei curioso.

Ricardo Lessa said...

Ah, pouco me interessa ser um forte candidato ao Oscar. O agora é Cannes, tão melhor e tão mais sincero.