Sunday, May 17, 2009

Vengeance, de Johnnie To (competição)


Halliday, com polaroids no coração.

por Kleber Mendonça Filho
cinemascopio@gmail.com


Uma bicicleta velha andando sozinha impulsionada a bala num tiro ao alvo brincalhão de matadores profissionais. Um herói sem memória que precisa de polaroids para saber quem quer matar e um tiroteio sob a cumplicidade da luz da lua são alguns dos detalhes que fazem do cinema de Johnnie To uma espécie de jóia do gênero autoral de ação, em Hong Kong. Ele apresentou em competição hoje de manhã, Vengeance, co-produção francesa com Johnnie Halliday, astro pop francês que estrela o filme aos 66 anos de idade.

Halliday é um chef de Paris buscando vingança em Macau e HK pela morte violenta da sua filha e família, numa série de balaços que abrem o filme como trovões. Ele contrata três pistoleiros locais para, assim, fazer um estrago ainda maior no submundo. O filme tem largos prazeres, mas não é exatamente o que realmente esperávamos de To. Seu anterior, Sparrow, um balé de armas de fogo e guardas chuvas (exibido em Berlim, ano passado), era bem mais forte e interessante.

Um aspecto notável no filme é o próprio Halliday. Tem uma presença e tanto na tela, mas é melhor calado ou apenas fitando o infinito. Parece falar inglês com o tradutor do Google soprando as suas falas. E se seu personagem nunca realmente ganha vida, sua vingança torna-se apenas uma desculpa para as construções elegantes de To nesse filme de look 35mm/scope degradado da velha escola dos thrillers chineses.

Mesmo assim, há muito o que ver nessa seqüência de tiroteios (um deles, num lixão, é um luxo) que chega aos cinemas franceses semana que vem.

Filme visto na Lumière, 17 de maio 2009, Cannes

2 comments:

M.R.T. said...

Olá Kleber, parabéns pela cobertura que continua top, como em todos os anos,mais dinâmica que os jornais impressos e com a competência corriqueira.
Fico com mais água na boca ao ler sobre esses filmes, mas queria mesmo poder vê-los, pena que a demora impera até estes chegarem por estas bandas (Sampa), se chegarem.
Continuo acompanhando a cobertura, ansioso por mais uma postagem.

Abraço, Murilo R. T.

Ibertson Medeiros said...

O dia 18 só tem de peso o novo do Ken Loach.
Espero ser um bom filme.
Mas quero ver opiniões sobre os novos do Gilliam, Haneke e Tarantino.
Dos que queria assistir e já passaram, só o que causou uma divisão de opiniões foi o Anticristo. Do tipo ame ou odeie mesmo.