Thursday, January 21, 2010

GRIZZLY COP ('Bad Lieutenant'), de Herzog


Eu estava achando tudo muito estranho em Bad Lieutenant: Port of Call New Orleans (Vício Frenético), segundo Werner Herzog, até que me vi rastejando ao lado de um jacaré, o observador escondido de uma cena que acabara de acontecer. A partir daí, relaxei, e adorei o filme.

Vício Frenético não foi muito bem nos cinemas brasileiros, esta semana já perdeu muitas das suas salas. Ou seja, priorizem-no, tentem ver. K.M.F

3 comments:

Guilherme Scalzilli said...

“Vício frenético”

O original, de 1992, é um dos pesadelos tresloucados que fizeram os momentos altos da trajetória do junkie Abel Ferrara, com Harvey Keitel corajosamente exposto no papel do policial viciado que afunda durante uma investigação.
A refilmagem de Werner Herzog é típica encomenda de estúdio, na qual o diretor recebeu funções apenas burocráticas, aclimatando-se nos EUA, onde passou a residir há pouco. Mas o alemão adicionou humor ao clima sombrio e desesperado de Ferrara, além de transportar a ação para a Nova Orleans pós-Katrina. Nicolas Cage imprime cinismo e simpatia a seu personagem, reforçando uma crítica às instituições policiais que a tragédia pessoal diluía.
Não se trata, portanto, dessas nefastas refilmagens hollywoodianas, originadas no esgotamento criativo e na falta de escrúpulos. É outro filme, embora partindo das mesmas premissas. E Herzog, um dos maiores cineastas vivos, como já disse aqui, mesmo quando se dedica a garantir o leitinho das crianças, está quilômetros acima do padrão mediano dessa indústria movida a reciclagens.

CinemaScópio said...

yeah. Mas além disso, gostei muito do clima do filme. Há algo nele estranhamente aconchegante. Como se estivesse vivo, tvz por ter coração. É um filme incomum.

Murilo said...

Acho que o Herzog sabe mais do que ninguém misturar tons muito distintos, o humor alienígena e desconcertante com melancolia, lirismo. E isso sem ser moralista ou irônico. Ele sempre embarca junto dos seus personagens, parece querer descobri-los junto com eles, sem medo de parecer impulsivo, doido. E o resultado é vivo, pulsante. Gosto muito da personagem da Jennifer Coolidge, que bem poderia sair uma caricatura grotesca com direção de outro, uma bebum escrota etc., mas Herzog demonstra um certo afeto por ela que acho bem tocante. O alemão é outro nível, ainda consegue espaço no filme pra referenciar a galinha de Strosek, hehehe